//Pintura cinematográfica

Pintura cinematográfica

Simples, doce e dramático. “Tocados pelo fogo” preenche cada requisito de um bom filme romântico. Desenha, com sua fotografia, a harmonia do casal. Mantém as emoções claras e objetivas, utilizando-se da vasta paleta de cores e das estações do ano, marcando simbolicamente cada passagem de sentimento.

Dois poetas, Carla (Katie Holmes) e Marco (Luke Kirby), que sofrem de transtorno bipolar, apaixonam-se durante sua estadia em uma clínica de apoio. Vendo um no outro o refúgio de compreensão que tanto sonhavam. Mas esse amor desencadeia o gatilho maníaco dos dois, colocando em perigo a relação.

A atuação dos protagonistas é eximia e intensa, passam todo o sentimento envolvido nas cenas. Além disso, o trabalho de filmagem adentra as proporções da doença, mostrando os ângulos abalados.

Baseado no livro de Kay Redfield Jamison, de mesmo título, o diretor, Paul Dalio, acrescenta uma trilha sonora que encaixa o espectador e o faz dançar junto à história. Também, com muita beleza, enche o enredo com referências aos aclamados gênios da humanidade, como Van Gogh, que tem destaque direto com sua pintura “A noite estrelada”, a qual o diretor brinca com o Sol (Carla) e a Lua (Marco).

Certamente é um filme que te encanta e emociona, com um toque francês, mesmo sendo de produção norte-americana, “Tocados pelo fogo” irá te surpreender. Digno de ser uma obra-prima, esse longa metragem merece lugar no museu ao lado das pinturas de Van Gogh.

João Pedro S. Teixeira

Graduando em Jornalismo e cinéfilo por paixão.

Instagram: @sugarciel

Facebook: João Pedro Santos Teixeira